« maio 2006 | entrada | julho 2006 »

Arquivo de junho 2006

junho 1, 2006

The Death Of Autumn

When reeds are dead and a straw to thatch the marshes,
And feathered pampas-grass rides into the wind
Like aged warriors westward, tragic, thinned
Of half their tribe, and over the flattened rushes,
Stripped of its secret, open, stark and bleak,
Blackens afar the half-forgotten creek,—
Then leans on me the weight of the year, and crushes
My heart. I know that Beauty must ail and die,
And will be born again,—but ah, to see
Beauty stiffened, staring up at the sky!
Oh, Autumn! Autumn!—What is the Spring to me?

Edna St. Vincent Millay

Humanidade(s)

Conduzi os meus assuntos emocionais, intelectuais e profissionais sobre a desconfiança da teoria. Só sou capaz de conferir significado ao conceito de teoria nas ciências exactas e, até certo ponto, nas aplicadas. Trata-se de construtos teóricos que exigem experiências cruciais para a sua confirmação ou infirmação. Se refutados, serão postos de parte. (...) As humanidades não são susceptíveis de demonstração nem de verificação (excepto a um nível material, documental). As nossas respostas ao seu estudo são narrrativas de intuição.

George Steiner, in Errata: Revisões de uma vida, trad. Margarida Vale de Gato, ed. Relógio D'Água.

procre3.jpg

A Borboleta

(gentileza de Amélia Pais)

Contente mesmo contente
estive na vida muitas vezes
mas nunca como na Alemanha
quando me libertaram
e me pus a olhar uma borboleta
sem vontade de a comer.

Tonino Guerra

Da verdade inequívoca

"(...) mais vale uma boa dose de realidade, cruel que seja, do que a ilusão (...)".

junho 2, 2006

It's Raining In Love

I don't know what it is,
but I distrust myself
when I start to like a girl
a lot.

It makes me nervous.
I don't say the right things
or perhaps I start
to examine,
evaluate,
compute
what I am saying.

If I say, "Do you think it's going to rain?"
and she says, "I don't know,"
I start thinking : Does she really like me?

In other words
I get a little creepy.

A friend of mine once said,
"It's twenty times better to be friends
with someone
than it is to be in love with them."

I think he's right and besides,
it's raining somewhere, programming flowers
and keeping snails happy.
That's all taken care of.

BUT

if a girl likes me a lot
and starts getting real nervous
and suddenly begins asking me funny questions
and looks sad if I give the wrong answers
and she says things like,
"Do you think it's going to rain?"
and I say, "It beats me,"
and she says, "Oh,"
and looks a little sad
at the clear blue California sky,
I think : Thank God, it's you, baby, this time
instead of me.

Richard Brautigan

Real

z4875993.gif

junho 3, 2006

Divisa (em dobro)

Constância, constância e determinação.

Amin Maalouf, in Origens, ed. DIFEL.

Raimondi

raimondi_4.jpg

I wish...

If thou could'st empty all thyself of self,
Like to a shell dishabited,
Then might He find thee on the ocean shelf,
And say, "This is not dead,"
And fill thee with Himself instead.

But thou are all replete with very thou
And hast such shrewd activity,
That when He comes He says, "This is enow
Unto itself - 'twere better let it be,
It is so small and full, there is no room for me."

Sir Thomas Browne

How Heavy The Days

How heavy the days are.
There's not a fire that can warm me,
Not a sun to laugh with me,
Everything bare,
Everything cold and merciless,
And even the beloved, clear
Stars look desolately down,
Since I learned in my heart that
Love can die.

Hermann Hesse, trad. James Wright.

Modigliani

modigliani105a.JPG

junho 4, 2006

In The Desert

In the desert
I saw a creature, naked, bestial,
Who, squatting upon the ground,
Held his heart in his hands,
And ate of it.
I said: "Is it good, friend?"
"It is bitter—bitter," he answered;
"But I like it
Because it is bitter,
And because it is my heart."

Stephen Crane

junho 5, 2006

Picasso

cubismo.jpg

Gostava de te dar, não estes músicos, mas a alegria da música; não estas cores, mas a alegria da luz; não uma imagem, mas palavras que não ferissem nunca. Gostava, mesmo não sabendo como. Mas, mais do que inspiração na arte, queria das musas o talento para te adoçar a vida. Parabéns!

junho 6, 2006

Love Is Not Enough

The more that we take
The paler we get
I can't remember what it is
We try to forget
The tile on the floor
So cold it can sting
In your eyes is a place
Worth remembering

For you to go and take this, to smash it apart
I've gone all this fucking way
To wind up back at
Back at the start

[Chorus:]
Hey, the closer we think we are
Well it only got us so far
Now you got anything left to show
No no I didn't think so
Hey, the sooner we realize
We cover ourselves with lies
But underneath we're not so tough
And love is not enough

Well it hides in the dark
Like the withering vein
We didn't give it a mouth
So it cannot complain
It never really had a chance
We'd never really make it through
I never think I'd believed
I believed I could get better with you

NINE INCH NAILS LYRICS

De passagem

Todos nós somos hóspedes da vida. Não há nenhum ser humano que saiba o significado da sua criação, excepto ao nível mais primitivo e biológico.

George Steiner, in Errata: Revisões de uma vida, trad. Margarida Vale de Gato, ed. Relógio D'Água.

Kandinsky

(kandinsky)-improvisation7.jpg

Not From This Anger

(recordando uma frase: «Don't be preposterous!...»)

Not from this anger, anticlimax after
Refusal struck her loin and the lame flower
Bent like a beast to lap the singular floods
In a land strapped by hunger
Shall she receive a bellyful of weeds
And bear those tendril hands I touch across
The agonized, two seas.
Behind my head a square of sky sags over
The circular smile tossed from lover to lover
And the golden ball spins out of the skies;
Not from this anger after
Refusal struck like a bell under water
Shall her smile breed that mouth, behind the mirror,
That burns along my eyes.

Dylan Thomas

Second Fig

Safe upon the solid rock the ugly houses stand:
Come and see my shining palace built upon the sand!

Edna St. Vincent Millay

junho 7, 2006

Telepatia(s)

The Telephone

'When I was just as far as I could walk
From here today,
There was an hour
All still
When leaning with my head again a flower
I heard you talk.
Don't say I didn't, for I heard you say--
You spoke from that flower on the window sill-
Do you remember what it was you said?'

'First tell me what it was you thought you heard.'

'Having found the flower and driven a bee away,
I leaned on my head
And holding by the stalk,
I listened and I thought I caught the word--
What was it? Did you call me by my name?
Or did you say--
Someone said "Come" -- I heard it as I bowed.'

'I may have thought as much, but not aloud.'

"Well, so I came.'

Robert Frost

Haiku

Birds singing
in the dark
—Rainy dawn.

Jack Kerouac

Bronzino

1541-45_Portrait_of_a_Young_Girl_by_Agnolo_Bronzino.jpg

De passagem (II)

Pode ser que o Judeu na Diáspora sobreviva para ser um hóspede - que ainda hoje continua a ser rejeitado em tantas portas fechadas. É bem possível que o nosso chamamento seja o da intrusão, sugerindo aos outros homens e mulheres em geral que todos os seres humanos têm de aprender a viver como hóspedes na vida uns dos outros. Não há nenhuma sociedade, região, cidade ou aldeia que não possa ser melhorada. Do mesmo modo, não há nenhuma que não possamos deixar quando nela se instala a injustiça ou a barbárie. A moralidade deve ter sempre as malas feitas.

George Steiner, in Errata: Revisões de uma vida, trad. Margarida Vale de Gato, ed. Relógio D'Água.

junho 8, 2006

A rapariga riu

Um pouco de chuva, princípio da noite,
e nos cafés o ruído da palavra, na rua,
entre o espaço vazio e colorido das árvores,
talvez o silêncio se assemelhe já à morte.
Para toda a parte circulam os automóveis,
motores trabalham para o encontro. Talvez
entre estar e ir a respiração se altere, o sobressalto
é secreto. Em toda a parte a solidão dos quartos,
dos corredores, mas uma vez a rapariga sorriu, tomou
cor a sua face. Ó meu amor. Agitam-se as folhas
das árvores quando um vento mais forte sopra,
e o meu espírito, inquieto, estremece de novo.

João Camilo

Kandinsky

centre-pompidou-kandinsky.jpg

Vers De Société

My wife and I have asked a crowd of craps
To come and waste their time and ours: perhaps
You'd care to join us? In a pig's arse, friend.
Day comes to an end.
The gas fire breathes, the trees are darkly swayed.
And so Dear Warlock-Williams: I'm afraid--

Funny how hard it is to be alone.
I could spend half my evenings, if I wanted,
Holding a glass of washing sherry, canted
Over to catch the drivel of some bitch
Who's read nothing but Which;
Just think of all the spare time that has flown

Straight into nothingness by being filled
With forks and faces, rather than repaid
Under a lamp, hearing the noise of wind,
And looking out to see the moon thinned
To an air-sharpened blade.
A life, and yet how sternly it's instilled

All solitude is selfish. No one now
Believes the hermit with his gown and dish
Talking to God (who's gone too); the big wish
Is to have people nice to you, which means
Doing it back somehow.
Virtue is social. Are, then, these routines

Playing at goodness, like going to church?
Something that bores us, something we don't do well
(Asking that ass about his fool research)
But try to feel, because, however crudely,
It shows us what should be?
Too subtle, that. Too decent, too. Oh hell,

Only the young can be alone freely.
The time is shorter now for company,
And sitting by a lamp more often brings
Not peace, but other things.
Beyond the light stand failure and remorse
Whispering Dear Warlock-Williams: Why, of course--

Philip Larkin

Picasso

picasso.jpg

junho 9, 2006

A cor da rosa

(para o meu Pai, que não lê blogs)

Alvejava de neve outrora a rosa,
Nem como agora, doce recendia;
Baixo voava Amor sem tento um dia,
E na rama espinhosa
De sua flor virgínea se feria.
Do sangue divina! gota amorosa
Da ligeira ferida lhe corria,
E as flores da roseira onde caía
Tomavam do encarnado a cor lustrosa.
Agora formosa
A rúbida flor
Recorda de Amor
A chaga ditosa.

Para os braços da mãe voou chorando;
Um beijo lhe acalmou penas e ardores:
E tão doce o remédio achou das dores,
Que Amor só desejou de quando em quando
Que assim penando,
Com seus clamores
Novos favores
Fosse alcançando.

Súbito voa, pelos ares fende;
As rosas viu de sua dor trajadas,
E que só de suas glórias namoradas
Nada dissessem com razão se ofende:

A mão lhe estende,
E delicioso
Cheiro amoroso
Nelas recende.

Vós que as rosas gentis buscais, amantes,
Nos jardins do prazer,
E, em vez da flor, espinhos penetrantes
Só chegais acolher,
Resignados sofrei, sede constantes,
Que a desventura,
Que a mágoa e dor
Sempre em doçura
Converte Amor.


Almeida Garrett

Kandinsky

kandinsky_struttura_allegra_1418.jpg

Irreversibilidade

Os erros são cada vez mais insuportáveis à medida que se tornam irreparáveis.

George Steiner, in Errata: Revisões de uma vida, trad. Margarida Vale de Gato, ed. Relógio D'Água.

Do poema

"A poem, as a manifestation of language and thus essentially dialogue, can be a message in a bottle, sent out in the - not always greatly hopeful - belief that somewhere and sometime it could end up on land, on heartland perhaps. Poems in this sense, too, are under way: they are making toward something."

Paul Célan

junho 10, 2006

Receita

Recipe For Happiness at Khaborovsk Or Anyplace
Lawrence Ferlinghetti

One grand boulevard with trees
with one grand cafe in sun
with strong black coffee in very small cups.

One not necessarily very beautiful
man or woman who loves you.

One fine day.

Lawrence Ferlinghetti

Vlaminck

vlaminck_voile.jpg

Velas a espreitar do rio no ponto em que se deixa espraiar no mar. O verde do olhar mais brilhante do que as águas, tarde fora.

junho 11, 2006

Cut While Shaving

It's never quite right, he said, the way people look,
the way the music sounds, the way the words are
written.
It's never quite right, he said, all the things we are
taught, all the loves we chase, all the deaths we
die, all the lives we live,
they are never quite right,
they are hardly close to right,
these lives we live
one after the other,
piled there as history,
the waste of the species,
the crushing of the light and the way,
it's not quite right,
it's hardly right at all
he said.

don't I know it? I
answered.

I walked away from the mirror.
it was morning, it was afternoon, it was
night

nothing changed
it was locked in place.
something flashed, something broke, something
remained.

I walked down the stairway and
into it.

Charles Bukowski

Seurat

seurat010.jpg

A passagem das horas

Sentir tudo de todas as maneiras,
Ter todas as opiniões,
Ser sincero contradizendo-se a cada minuto,
Desagradar a si-próprio pela plena liberalidade de espírito,
E amar as coisas como Deus.

Eu, que sou mais irmão de uma árvore que de um operário,
Eu, que sinto mais a dor suposta do mar ao bater na praia
Que a dor real das crianças em quem batem
(Ah, como isto deve ser falso, pobres crianças em quem batem -
E porque é que as minhas sensações se revezam tão depressa?)

Eu, enfim, que sou um diálogo contínuo
Um falar-alto incompreensível, alta-noite na torre,
Quando os sinos oscilam vagamente sem que mão lhes toque
E faz pena saber que há vida que viver amanhã.

Eu, enfim, literalmente eu,
E eu metaforicamente também,
Eu, o poeta sensacionista, enviado do Acaso
Às leis irrepreensíveis da Vida,
Eu, o fumador de cigarros por profissão adequada,
O indivíduo que fuma ópio, que toma absinto, mas que, enfim,
Prefere pensar em fumar ópio a fumá-lo
E acha mais seu olhar para o absinto a beber que bebê-lo...

Eu, este degenerado superior sem arquivos na alma,
Sem personalidade com valor declarado,
Eu, o investigador solene das coisas fúteis,
Era capaz de ir viver na Sibéria só por embirrar com isso
E que acho que não faz mal não ligar importância à pátria
Porque não tenho raiz, como uma árvore, e portanto não tenho raiz...

Eu, que tantas vezes me sinto tão real como uma metáfora,
Como uma frase escrita por um doente no livro da rapariga que encontrou no terraço,
Ou uma partida de xadrez no convés dum transatlântico,
Eu, a ama que empurra os perambulators em todos os jardins públicos,
Eu, o polícia que a olha, parado para trás na álea,
Eu, a criança no carro, que acena à sua inconsciência lúcida com um colar com guizos,
Eu, a paisagem por detrás disto tudo, a paz citadina
Coada através das árvores do jardim público,
Eu, o que os espera a todos em casa,
Eu, o que eles encontram na rua
Eu, o que eles não sabem de si-próprios,
Eu, aquela coisa em que estás pensando e te marca esse sorriso,
Eu, o contraditório, o fictício, o aranzel, a espuma,
O cartaz posto agora, as ancas da francesa, o olhar do padre,
O lugar onde se encontram as duas ruas e os chauffeurs dormem contra os carros,
A cicatriz do sargento mal-encarado,
O sebo na gola do explicador doente que volta para casa,
A chávena que era por onde o pequenito que morreu bebia sempre,
E tem uma falha na asa (e tudo isto cabe num coração de mãe e enche-o)...
Eu, o ditado de francês da pequenita que mexe nas ligas,
Eu, os pés que se tocam por baixo do bridge sob o lustre,
Eu, a carta escondida, o calor do lenço, a sacada com a janela entreaberta,
O portão de serviço onde a criada fala com os desejos do primo,
O sacana do José que prometeu vir e não veio
E a gente tinha uma partida para lhe fazer...
Eu, tudo isto, e além disto o resto do mundo...

Tanta coisa, as portas que se abrem, e a razão porque elas se abrem,
E as coisas que já fizeram as mãos que abrem as portas...
Eu, a infelicidade-nata de todas as expressões,
A impossibilidade de exprimir todos os sentimentos,
Sem que haja uma lápide no cemitério para o irmão de tudo isto,
E o que parece não querer dizer nada sempre quer dizer qualquer coisa...

Sim, eu, o engenheiro naval que sou supersticioso como uma camponesa madrinha,
E uso o monóculo para não parecer igual à ideia real que faço de mim,
Que levo às vezes três horas a vestir-me e nem por isso acho isso natural,
Mas acho-o metafísico e se me batem à porta zango-me,
Não tanto por me interromperem a gravata como por ficar sabendo que há a vida...

Sim, enfim, eu o destinatário das cartas lacradas,
O baú das iniciais gastas,
A intonação das vozes que nunca ouviremos mais -
Deus guarda isso tudo no Mistério, e às vezes sentimo-lo
E a vida pesa de repente e faz muito frio mais perto que o corpo.

A Brígida prima da minha tia,
O general em que elas falavam - general quando elas eram pequenas,
E a vida era guerra civil a todas as esquinas...
Vive le mélodrame où Margot a pleuré!
Caem folhas secas no chão irregularmente,
Mas o facto é que sempre é outono no outono,
E o inverno vem depois fatalmente,
E há só um caminho para a vida, que é a vida...

Esse velho insigniflcante, mas que ainda conheceu os românticos
Esse opúsculo político do tempo das revoluções constitucionais,
E a dor que tudo isso deixa, sem que se saiba a razão
Nem haja para chorar tudo mais razão que senti-lo.
Todos os amantes beijaram-se na minha alma,
Todos os vadios dormiram um momento em cima de mim
Todos os desprezados encostaram-se um momento ao meu ombro,
Atravessaram a rua, ao meu braço todos os velhos e os doentes,
E houve um segredo que me disseram todos os assassinos.

(Aquela cujo sorriso sugere a paz que eu não tenho,
Em cujo baixar-de-olhos há uma paisagem da Holanda,
Com as cabeças femininas coiffées de lin
E todo o esforço quotidiano de um povo pacífico e limpo...
Aquela que é o anel deixado em cima da cómoda,
E a fita entalada com o fechar da gaveta,
Fita cor-de-rosa, não gosto da cor mas da fita entalada,
Assim como não gosto da vida, mas gosto de senti-la...
Dormir como um cão corrido no caminho, ao sol,
Definitivamente para todo o resto do Universo,
E que os carros me passem por cima)
Fui para a cama com todos os sentimentos,
Fui souteneur de todas as emoções,
Pagaram-me bebidas todos os acasos das sensações,
Troquei olhares com todos os motivos de agir,
Estive mão em mão com todos os impulsos para partir,
Febre imensa das horas!
Angústia da forja das emoções!

Raiva, espuma, a imensidão que não cabe no meu lenço,
A cadela a uivar de noite,
O tanque da quinta a passear à roda da minha insónia
O bosque como foi à tarde, quando lá passeamos, a rosa,
A madeixa indiferente, o musgo, os pinheiros,
Toda a raiva de não conter isto tudo, de não deter isto tudo,
Ó fome abstracta das coisas, cio impotente dos momentos,
Orgia intelectual de sentir a vida!

Obter tudo por suficiência divina -
As vésperas, os consentimentos, os avisos,
As coisas belas da vida -
O talento, a virtude, a impunidade,
A tendência para acompanhar os outros a casa,
A situação de passageiro,
A conveniência em embarcar lá para ter lugar,
E falta sempre uma coisa, um copo, uma brisa, uma frase,
E a vida dói quanto mais se goza e quanto mais se inventa.

Poder rir, rir, rir despejadamente,
Rir como um copo entornado,
Absolutamente doido só por sentir,
Absolutamente roto por me roçar contra as coisas,
Ferido na boca por morder coisas,
Com as unhas em sangue por me agarrar a coisas,
E depois dêem-me a cela que quiserem que eu me lembrarei da vida.


Álvaro de Campos

junho 12, 2006

Realização

I have loved hours at sea, gray cities,
The fragile secret of a flower,
Music, the making of a poem
That gave me heaven for an hour;

First stars above a snowy hill,
Voices of people kindly and wise,
And the great look of love, long hidden,
Found at last in meeting eyes.

I have loved much and been loved deeply --
Oh when my spirit's fire burns low,
Leave me the darkness and the stillness,
I shall be tired and glad to go.

Sara Teasdale

Jan Brueghel

jan brueghel.jpg

junho 13, 2006

Poema curto

(para "a mulher mais bela", no seu aniversário)

Nesta luz quase louca
que se prende aos telhados
às árvores aos cabelos das mulheres
aos olhos mais sombrios
falamos de ti do teu alto exemplo
e é com intimidade que o fazemos
falamos de ti como se fosses
a árvore mais luminosa
ou a mulher mais bela mais humana
que passasse por nós com os olhos da vertigem
arrastando toda a luz consigo

Alexandre O´Neill

Chase

chase.jpg

You And Me

I'm part of people I have known
And they are part of me;
The seeds of thought that I have sown
In other minds I see.
There's something of me in the throne
And in the gallows tree.

There's something of me in each one
With whom I work and play,
For islanded there can be none
In this dynamic day;
And meshed with me perchance may be
A leper in Cathay.

There's me in you and you in me,
For deeply in us delves
Such common thought that never we
Can call ourselves ourselves.
In coils of universal fate
No man is isolate.

For you and I are History,
The all that ever was;
And woven in the tapestry
Of everlasting laws,
Persist will we in Time to be,
Forever you and me.

Robert Service

Jan Mabuse

jan mabuse.jpg

junho 14, 2006

A Kiss

One wave falling forward meets another wave falling
forward. Well-water,
hand-hauled, mineral, cool, could be
a kiss, or pastures
fiery green after rain, before
the grazers. The kiss -- like a shoal of fish whipped
one way, another way, like the fever dreams
of a million monkeys -- the kiss
carry me -- closer than your carotid artery -- to you.

Thomas Lux

Rain

Suddenly this defeat.
This rain.
The blues gone gray
And the browns gone gray
And yellow
A terrible amber.
In the cold streets
Your warm body.
In whatever room
Your warm body.
Among all the people
Your absence
The people who are always
Not you.


I have been easy with trees
Too long.
Too familiar with mountains.
Joy has been a habit.
Now
Suddenly
This rain.

Jack Gilbert

Writing

often it is the only
thing
between you and
impossibility.
no drink,
no woman's love,
no wealth
can
match it.

nothing can save
you
except
writing.

it keeps the walls
from
failing.
the hordes from
closing in.

it blasts the
darkness.

writing is the
ultimate
psychiatrist,

the kindliest
god of all the
gods.

writing stalks
death.
it knows no
quit.

and writing
laughs
at itself,
at pain.

it is the last
expectation,
the last
explanation.

that's
what it
is.

Charles Bukowski

junho 15, 2006

In A Dark Time

In a dark time, the eye begins to see,
I meet my shadow in the deepening shade;
I hear my echo in the echoing wood--
A lord of nature weeping to a tree,
I live between the heron and the wren,
Beasts of the hill and serpents of the den.

What's madness but nobility of soul
At odds with circumstance? The day's on fire!
I know the purity of pure despair,
My shadow pinned against a sweating wall,
That place among the rocks--is it a cave,
Or winding path? The edge is what I have.

A steady storm of correspondences!
A night flowing with birds, a ragged moon,
And in broad day the midnight come again!
A man goes far to find out what he is--
Death of the self in a long, tearless night,
All natural shapes blazing unnatural light.

Dark,dark my light, and darker my desire.
My soul, like some heat-maddened summer fly,
Keeps buzzing at the sill. Which I is I?
A fallen man, I climb out of my fear.
The mind enters itself, and God the mind,
And one is One, free in the tearing wind.

Theodore Roethke

Raimondi

raimondi marcantonio.jpg

Floresta esplêndida

(gentileza de Amélia Pais)

Para que uma floresta seja esplêndida
Necessita de anos e infinito.
Não me deixeis tão depressa, amigos
Da merenda sob o granizo.
Abetos que dormis nas nossas camas,
Perpetuai na erva os nossos passos.


René Char (1907-1988), tradução de António Ramos Rosa.

junho 16, 2006

The Low Sky

No vulture is here, hardly a hawk,
Could long wings or great eyes fly
Under this low-lidded soft sky?

On the wide heather the curlew's whistle
Dies of its echo, it has no room
Under the lid of this tomb.

But one to whom mind and imagination
Sometimes used to seem burdensome
Is glad to lie down awhile in the tomb.

Among stones and quietness
The mind dissolves without a sound,
The flesh drops into the ground.

Robinson Jeffers

Instante

Deixai-me limpo
O ar dos quartos
E liso
O branco das paredes
Deixai-me com as coisas
Fundadas no silêncio

Sophia de Mello Breyner Andresen

Edmund Dulac

Dulac_Edmund_Orpheus_And_Eurydice2.jpg

A noite passada

Estávamos cheios de força a noite passada por esta hora,
as borboletas voavam e os daiquiris gelados descaíam,
Lise estava deitada de costas no chão,
séria e sublime, ouvindo Schubert,
a minha cabeça explodia com uma rima:
foi uma bela noite, uma noite para agradar,
beijei-a na cozinha - êxtases -
e ocultámos o crime sob um manto de ternura.

O tempo está a mudar. Estava frio esta manhã
enquanto me dirigia para o parque, sem expectativas,
centenas de velhos sonetos no meu bolso
para lhe ler caso ela viesse. Mas os pinheiros entretanto
encheram-se de sol e a minha senhora não veio
em jeans azuis e camisola. Sentei-me e escrevi.

John Berryman (1914-1972), tradução de Miguel Gonçalves.

junho 17, 2006

Aquele Que Passa

(gentileza de Amélia Pais)

O desconhecido que passa e te acha ainda digna de uma fugidia palavra de desejo,
Talvez porque na sombra da noite tão doce de Maio
Ainda resplendem teus olhos, ainda tem vinte anos a ligeira figura
deslizante,
Não sabe que foste amada, por aquele que amaste amada, em plena e soberba
delícia de amor,
E em ti não há membro nem ponta de carne ou átomo de alma que não tenha uma
marca de amor.
Que tu viveste apenas para amar aquele que te amava,
E nem que quisesses podias arrancar de ti essa veste que o amor teceu.
Ele, ignaro, em ti já não bela, em ti já não jovem, saúda a graça do deus:
Respira, passando, em ti já não bela, em ti já não jovem, o aroma precioso
do deus:
Só porque o levas contigo, doce relíquia à sombra de um sacrário.

Ada Negri (1870-1945), in Poesia do Século XX, trad. de Jorge de Sena.

Edmund Dulac

dulac6.jpg

De facto

As trocas linguísticas entre homens e mulheres são amiúde um pacto de mal-entendidos.

George Steiner, in Errata: Revisões de uma vida, trad. Margarida Vale de Gato, ed. Relógio D'Água.

junho 18, 2006

Da inquietude

O caminhante faz várias paragens, vai andando e narrando, mas só habita em tendas, aguardando novo rumo. Não tarda que ele sinta o coração bater fortemente, ora de desejo, ora também de medo e de angústia da carne. E este será o sinal de que deve prosseguir viagem, à cata de novas aventuras, aventuras que terão de ser penosamente vividas em todos os mais remotos pormenores, de acordo com a vontade insaciável do espírito.

Thomas Mann, in José e os seus Irmãos, trad. Elisa Lopes Ribeiro.

Kandinsky

A Kandinsky,Wassily-Softened_Construction-1927-s.jpg

Tarde

Esta tarde, mi bien, cuando te hablaba,
como en tu rostro y tus acciones vía
que con palabras no te persuadía,
que el corazón me vieses deseaba;

y Amor, que mis intentos ayudaba,
venció lo que imposible parecía:
pues entre el llanto, que el dolor vertía,
el corazón deshecho destilaba.

Baste ya de rigores, mi bien, baste:
no te atormenten más celos tiranos,
ni el vil recelo tu inquietud contraste

con sombras necias, con indicios vanos,
pues ya en líquido humor viste y tocaste
mi corazón deshecho entre tus manos.

Sor Juana Inés de la Cruz

Verdades lapidares

Sei que a autoridade e o autoritarismo são tão diferentes como a noite e o dia. Sei que a tolerância com a pequena indisciplina convida à grande indisciplina. Sei que a dificuldade é o núcleo indispensável de qualquer aprendizagem.

Pedro Mexia, in A educação, Notícias Sábado, 17/6/2006.

Do exaspero

Em geral exasperamo-nos mais contra as acusações que, apesar de serem falsas, não são completamente destituídas de fundamento.

Thomas Mann, in José e os seus Irmãos, trad. Elisa Lopes Ribeiro.

Picasso

Gilot.46.jpg

junho 20, 2006

A custo

(gentileza de Amélia Pais)

Vem dos montes friíssimos da Noruega
onde te sonhei para beberes estrelas
e caminhar a custo entre cascatas
onde a ternura é um escadote
e o ar um caracol de planetas nas órbitas.


António Maria Lisboa (1928-1953).

Kandinsky

kandinsky-stgeorge.jpg

Outro S. Jorge, o mesmo dragão.

Humor divinal

Isto é uma ideia divertida!

Pergunta inútil

(ou o que é o amor, em véspera de solstício)

O amor não é isto, disse, sem saber já o que fazer com essa palavra perdida, tresmalhada no pó negro das horas percorridas sem o descanso da noite a separá-las.
Esquecia que, para os seres imperfeitos, o amor é um animal selvagem e transformista, devorador de almas e traidor impiedoso de corpos em chamas brevíssimas.
Também ela tinha desejado longamente o nome, crendo que, sem ele, jamais teria a coisa ( e que, pura ilusão, bastaria invocá-lo, proferindo o verbo impossível, para que se materializasse , mágico e eterno, o esplendor somente adivinhado). O amor de que conhecia o peso e os contornos era bem outro - era o do sangue, o dos laços indissolúveis da linhagem, da casa, nunca o desenho aleatório resultante da humana incerteza de querer. Do amor como serenidade, constância, desejo e determinação pouco sabia. Haveria esse fantasiado amor compósito? Duraria mais do que o instante em que refulgia nos olhares reflexos? Quem tem a resposta no breviário dos dias, quem a solta ao vento do cansaço, quem a fecha em desespero, apertada na palma da mão em sangue?

junho 21, 2006

Kandinsky

kandinsky-woman.jpg

Um dia

Um dia, gastos, voltaremos
A viver livres como os animais
E mesmo tão cansados floriremos
Irmãos vivos do mar e dos pinhais.

O vento levará os mil cansaços
Dos gestos agitados irreais
E há-de voltar aos nosso membros lassos
A leve rapidez dos animais.

Só então poderemos caminhar
Através do mistério que se embala
No verde dos pinhais na voz do mar
E em nós germinará a sua fala.


Sophia de Mello Breyner Andresen

Solstício

sunset1.800x543

De novo.

junho 22, 2006

Ao rosto vulgar dos dias

Monstros e homens lado a lado,
Não à margem, mas na própria vida.
Absurdos monstros que circulam
Quase honestamente.
Homens atormentados, divididos, fracos.
Homens fortes, unidos, temperados.
*
Ao rosto vulgar dos dias,
A vida cada vez mais corrente,
As imagens regressam já experimentadas,
Quotidianas, razoáveis, surpreendentes.

Alexandre O´Neill

Kandinsky

kandinsky.upward

Lilies

I have been thinking
about living
like the lilies
that blow in the fields.

They rise and fall
in the edge of the wind,
and have no shelter
from the tongues of the cattle,

and have no closets or cupboards,
and have no legs.
Still I would like to be
as wonderful

as the old idea.
But if I were a lily
I think I would wait all day
for the green face

of the hummingbird
to touch me.
What I mean is,
could I forget myself

even in those feathery fields?
When Van Gogh
preached to the poor
of course he wanted to save someone--

most of all himself.
He wasn't a lily,
and wandering through the bright fields
only gave him more ideas

it would take his life to solve.
I think I will always be lonely
in this world, where the cattle
graze like a black and white river--

where the vanishing lilies
melt, without protest, on their tongues--
where the hummingbird, whenever there is a fuss,
just rises and floats away.

Mary Oliver

De acordo

(lido sem recordar onde)

Rectificar es de sabios - o al menos de los que se saben equivocados.

junho 23, 2006

Ways

One goes in straightforward ways,
One in a circle roams:
Waits for a girl of his gone days,
Or for returning home.

But I do go -- and woe is there --
By a way nor straight, nor broad,
But into never and nowhere,
Like trains -- off the railroad.

Anna Akhmatova, trad. Edward Bonver.

Altman

altman-akhmatova.jpg

Anna Akhmatova

junho 24, 2006

(Des)Encontro

(gentileza de Amélia Pais)

Entrámos no elevador. Apenas nós os dois
olhámos um para o outro e foi tudo.
Duas vidas, um momento, plenitude, felicidade.
Ela saiu no quinto andar e eu continuei a subir
sabendo que jamais a voltaria a ver,
aquele fora apenas um encontro, um só e para sempre,
sabendo que se a seguisse seria um homem morto no seu caminho
e que se ela se voltasse para mim
seria apenas do outro mundo.

Vladimir Holan (Praga, 1905-1980), trad. Miguel Gonçalves.

Dias de redenção

Hoje é um dos meus dias redentores. Afortunamente, tenho dois por ano - dois dias de clareza meridiana, que mostram como tudo o resto é menor, por muito que conte. São dois dias dedicados a "santos populares", na redescrição cristã das festas milenares que assinalam a pujança do solstício de verão. Hoje é dia de S. João Baptista, assim referido porque baptizava nas águas do Jordão; é uma das figuras mais respeitadas da história judaico-cristã e a sua vida é também admirada pelos muçulmanos. Envolve-o uma aura de homem bom, num sentido universal e muito mais vasto que o da santidade da Igreja Católica. Dentro em pouco, a 29, será dia de S. Pedro, chamado "príncipe dos apóstolos", figura com uma importância central na teologia católico-romana, pelo papel estruturante que teve na construção da ideologia cristã, pedra de um edifício que desenhou a civilização ocidental. Na minha iconografia pessoal, estes são dias fundadores, por duas razões "cruzadas": hoje, o dia do Pedro; a 29, o dia do João. Dias maiores.

Picasso

picass.jpg

junho 25, 2006

O Jardineiro Míope

(gentileza de Amélia Pais)

O jardineiro míope levanta-se às cinco horas e vai dar alpista às flores
a seguir rega os pássaros
e enquanto vai regando vai dizendo:
"Que bem cantam as minhas papoulas!"
Um dia a Liga das Senhoras mais Bondosas do Mundo
teve um gesto malvado
e ofereceu óculos ao jardineiro míope
que ajustou implacavelmente as imagens
perdeu toda a poesia
e viu tudo de maneira tão clara
que teve a ideia escura de pedir um emprego de funcionário público
enquanto a presidente da Liga
da Liga mais Bondosa
mais bondosa do mundo
subia para o céu
e se sentava à mão direita de Deus Padre
que lhe enfiou uma bofetada divina
que todos nós ouvimos em forma de trovão.

Sidónio Muralha

O Espaço do Poeta

A escrivaninha negra com entalhes, os dois candelabros de prata,
o cachimbo vermelho. Está sentado, quase invisível, na poltrona,
com a janela sempre às suas costas. Por detrás dos óculos,
enormes e cautos, observa o interlocutor
à luz intensa, ele próprio oculto dentro de suas palavras,
dentro da História, com personagens seus, distantes, invulneráveis,
capturando a atenção dos outros nos delicados revérberos
da safira que traz num dedo, e alerta sempre para saborear-lhes as
expressões, nos momentos em que os tolos efebos
umedecem os lábios com a língua, admirativamente. E ele,
astuto, sôfrego, sensual, o grande inocente,
entre o sim e o não, entre o desejo e o remorso,
qual balança na mão de um deus, ele oscila por inteiro,
enquanto a luz da janela atrás lhe põe na cabeça
uma coroa de absolvição e santidade.
"Se a poesia não for a remissão - murmura a sós consigo -
não esperemos então misericórdia de ninguém".

Yannis Ritsos (1909-1990), trad. José Paulo Paes.

Dulac

dulac1.jpg

junho 26, 2006

Desesperança

Perder a esperança é como perder a bússola.

Maria Jesus Álava Reyes, in A inutilidade do sofrimento.

Olhar

Imaginar, primeiro, é ver.
Imaginar é conhecer, portanto agir.

Alexandre O´Neill

Kandinsky

KANTHM2.gif

I Am Vertical

But I would rather be horizontal.
I am not a tree with my root in the soil
Sucking up minerals and motherly love
So that each March I may gleam into leaf,
Nor am I the beauty of a garden bed
Attracting my share of Ahs and spectacularly painted,
Unknowing I must soon unpetal.
Compared with me, a tree is immortal
And a flower-head not tall, but more startling,
And I want the one's longevity and the other's daring.

Tonight, in the infinitesimal light of the stars,
The trees and flowers have been strewing their cool odors.
I walk among them, but none of them are noticing.
Sometimes I think that when I am sleeping
I must most perfectly resemble them--
Thoughts gone dim.
It is more natural to me, lying down.
Then the sky and I are in open conversation,
And I shall be useful when I lie down finally:
The the trees may touch me for once, and the flowers have time for me.

Sylvia Plath

Palavras Fundamentais

(que as palavras te animem)

Faz com que a tua vida seja
sino que repique
ou sulco onde floresça e frutifique
a árvore luminosa da ideia.

Alça a tua voz sobre a voz sem nome
de todos os demais, e faz com que ao lado
do poeta se veja o homem.

Enche o teu espírito de lume;
procura as eminências do cume
e, se o esteio nodoso do teu báculo
encontrar algum obstáculo ao teu intento,
sacode a asa do atrevimento
perante o atrevimento do obstáculo.

Nicolas Guillen

Dulac

rubaiyat2.jpgdulac.jpg

junho 27, 2006

A Traição

quando do cavalo de tróia saiu outro
cavalo de tróia e deste um outro
e destoutro um quarto cavalinho de
tróia tu pensaste que da barriguinha
do último já nada podia sair
e que tudo aquilo era como uma parábola
que algum brejeiro estivesse a contar-te
pois foi quando pegaste nessa espécie
de gato de tróia que do cavalo maior
saiu armada até aos dentes de formidável amor
a guerreira a que já trazia dentro em si
os quatro cavalões do vosso apocalipse

Alexandre O'Neill

Kandinsky

KANTHM1.gif

junho 28, 2006

Entre pedras, palavras...

Que estupidez o sangue nas calçadas!
O sangue fez-se para ter dois olhos,
um lépido pé, um braço agente,
uma industriosa mão tocante.
Que estupidez o sangue entre as palavras!
O sangue fez-se para outras flores
menos fáceis de dizer que estas
agora derramadas.

Alexandre O´Neill

Lot's Wife

And the just man trailed God's shining agent,
over a black mountain, in his giant track,
while a restless voice kept harrying his woman:
"It's not too late, you can still look back

at the red towers of your native Sodom,
the square where once you sang, the spinning-shed,
at the empty windows set in the tall house
where sons and daughters blessed your marriage-bed."

A single glance: a sudden dart of pain
stitching her eyes before she made a sound . . .
Her body flaked into transparent salt,
and her swift legs rooted to the ground.

Who will grieve for this woman? Does she not seem
too insignificant for our concern?
Yet in my heart I never will deny her,
who suffered death because she chose to turn.


Anna Akhmatova, trad. Max Hayward e Stanley Kunitz.

Álvaro Cunhal

cunh_01.jpg

Reinvenção

(gentileza de Amélia Pais)

A vida só é possível
reinventada.

Anda o sol pelas campinas
e passeia a mão dourada
pelas águas, pelas folhas...
Ah! tudo bolhas
que vem de fundas piscinas
de ilusionismo... - mais nada.

Mas a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.

Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços
cheios da tua Figura.
Tudo mentira! Mentira
da lua, na noite escura.

Não te encontro, não te alcanço...
Só - no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
Só - na treva,
fico: recebida e dada.

Porque a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.

Cecília Meireles

Kandinsky

kan cer.jpg

Círculos diversos, em trânsito.

Escolha

Ter mais confiança é uma questão de escolha.

Maria Jesus Álava Reyes, in A inutilidade do sofrimento.

Long Ago...

My heart was full of softening showers,
I used to swing like this for hours,
I did not care for war or death,
I was glad to draw my breath.

Stevie Smith

Pin do dia

You deserve what you accept

junho 29, 2006

Há Dias

(para o João, desejando que a alegria o visite todos os dias e lhe abra o sorriso sempre)

Há dias em que julgamos
que todo o lixo do mundo
nos cai em cima
depois ao chegarmos à varanda avistamos
as crianças correndo no molhe
enquanto cantam
não lhes sei o nome
uma ou outra parece-me comigo
quero eu dizer :
com o que fui
quando cheguei a ser luminosa
presença da graça
ou da alegria
um sorriso abre-se então
num verão antigo
e dura
dura ainda.

Eugénio de Andrade

Beccafumi

7moses.jpgbeccafumi domenico.jpg

junho 30, 2006

O quotidiano "não"

Estamos todos bem servidos
de solidão.
De manhã a recolhemos
do saco, em lugar de pão.

Pão é claro que temos
(não sou exageradão)
mas esta imagem do saco
contendo um pequeno «não»

não figura nesta prosa
assim do pé para a mão,
pois o saco utilizado,
que pode ser o do pão,

recebe modestamente
a corriqueira fracção
desse alimento que é
tão distribuído, tão

a domicílio como
o leite ou o pão.
Mas esse leitor aí
(bem real!) já diz que não,

que nunca viu no tal saco
o tal «não».
Ao que o poeta responde,
sem maior desilusão:

- Para dizer a verdade,
eu também não...
Mas estava confiante
na sua imaginação

(ou na minha...) e que sentia
como eu a solidão
e quanto ela é objecto
da carinhosa atenção

de quem hoje nos fornece
o quotidiano «não»,
por todos os meios, desde
a fingida distracção,

até ao entre-parêntesis
de qualquer reclusão...

Alexandre O´Neill

Picasso

picassotellier.jpg

Acerca

Está nos arquivos do blogue Modus vivendi na página do mês de junho de 2006. Os posts estão listados do mais antigo para o mais recente.

maio 2006 é o mês anterior em arquivo

julho 2006 é o próximo mês em arquivo.

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.





Secções

Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top