« Landini | Main | Michelangelo »

Ficar nua

Quero escrever o borrão vermelho de sangue
com as gotas e coágulos pingando
de dentro para dentro.
Quero escrever amarelo-ouro
com raios de translucidez.
Que não me entendam
pouco-se-me-dá.
Nada tenho a perder.
Jogo tudo na violência
que sempre me povoou,
o grito áspero e agudo e prolongado,
o grito que eu,
por falso respeito humano,
não dei.

Mas aqui vai o meu berro
me rasgando as profundas entranhas
de onde brota o estertor ambicionado.
Quero abarcar o mundo
com o terremoto causado pelo grito.
O clímax de minha vida será a morte.

Quero escrever noções
sem o uso abusivo da palavra.
Só me resta ficar nua:
nada tenho mais a perder.

Clarice Lispector

comentários (3)

vbm:

Gosto imenso de Clarice Lispector.
Vê esta reflexão tão cativante quão misteriosa

«Sentia-se estranha e preciosa,
tão voluptuosamente hesitante e estranha
como se hoje fosse o dia de amanhã.»


Sentindo viver, hoje, o dia de amanhã
uma mulher sente-se assim,
mais voluptuosamente
hesitante e
estranha!?

:)

ana r.:

A volúpia da antecipação só me faz sentido quando é, precisa e preciosamente, a antecipação da volúpia.
C.L.envolve a escrita, pinta-a, desdobra as palavras, preenche sombreados, desenha labirintos. Um prazer.

vbm:

:) Bela observação!

A sua opinião?

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 07 de janeiro de 2008.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

pub




Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top