26 de junho de 2019

Banksy

Girl-with-a-Balloon-by-Banksy.jpg

Busca

Buscar a força oferecida
pela a natureza
vaidades antepostas
no espelho
o resumo das espécies
inacabadas
a serpente na figuração
das maldades

dizem os sábios
não se preocupem com o futuro
no interior intergaláctico forças
são favoráveis: vidas mudam
em essência e aplausos

buscar a natureza da força
oferecida
espelho refletem imagens
de vaidade
inacabadas espécies
em simples resumos
maldade sobressaltada
nas serpentes.

Pedro Du Bois

25 de junho de 2019

Para mim

Para mim
o amor
fica-me justo.

Eu só visto
a paixão
de corpo inteiro.

Maria Teresa Horta

Henri Matisse

Henri Matisse.jpg

Escrever

Se eu pudesse havia de transformar as palavras em clava.
Havia de escrever rijamente.
Cada palavra seca, irressonante, sem música.
Como um gesto, uma pancada brusca e sóbria.
Para quê todo este artifício da composição sintáctica e métrica?
Para quê o arredondado linguístico?
Gostava de atirar palavras.
Rápidas, secas e bárbaras, pedradas!
Sentidos próprios em tudo.
Amo? Amo ou não amo.
Vejo, admiro, desejo?
Ou sim ou não.
E como isto continuando.

E gostava para as infinitamente delicadas coisas do espírito...
Quais, mas quais?
Gostava, em oposição com a braveza do jogo da pedrada, do tal ataque às
coisas certas e negadas...
Gostava de escrever com um fio de água.
Um fio que nada traçasse.
Fino e sem cor, medroso.

Ó infinitamente delicadas coisas do espírito!
Amor que se não tem, se julga ter.
Desejo dispersivo.
Vagos sofrimentos.
Ideias sem contorno.
Apreços e gostos fugitivos.
Ai! o fio da água , o próprio fio da água sobre vós passaria,
transparentemente?
Ou vos seguiria humilde e tranquilo?

Irene Lisboa

21 de junho de 2019

Olhão

olhao-vista-aerea-baixa-mercados.jpg

Verão

Em 2019 o solstício do verão acontece a 21 de junho, às 16h54. Este é o dia mais longo do ano no hemisfério norte.

20 de junho de 2019

Bem sei

Bem sei que há ilhas lá ao sul de tudo
Onde há paisagens que não pode haver.
Tão belas que são como que o veludo
Do tecido que o mundo pode ser.

Bem sei. Vegetações olhando o mar,
Coral, encostas, tudo o que é a vida
Tornado amor e luz, o que o sonhar
Dá à imaginação anoitecida.

Bem sei. Vejo isso tudo. O mesmo vento
Que ali agita os ramos em torpor
Passa de leve por meu pensamento
E o pensamento julga que é amor.

Sei, sim, é belo, é luz, é impossível,
Existe, dorme, tem a cor e o fim,
E, ainda que não haja, é tão visível
Que é uma parte natural de mim.

Sei tudo, sim, sei tudo. E sei também
Que não é lá que há isso que lá está
Sei qual é a luz que essa paisagem tem
E qual o mar por que se vai para lá.

Fernando Pessoa

18 de junho de 2019

Salvador Dalí

Salvador Dali.jpg

Naquele tempo

Naquele tempo falavas muito de perfeição,
da prosa dos versos irregulares
onde cantam os sentimentos irregulares.
Envelhecemos todos, tu, eu e a discussão,

agora lês saramagos & coisas assim
e eu já não fico a ouvir-te como antigamente
olhando as tuas pernas que subiam lentamente
até um sítio escuro dentro de mim.

O café agora é um banco, tu professora de liceu;
Bob Dylan encheu-se de dinheiro, o Che morreu.
Agora as tuas pernas são coisas úteis, andantes,
e não caminhos por andar como dantes.

Manuel António Pina

17 de junho de 2019

Giorgio Morandi

giorgio Morandi.jpg

As Rosas

Quando à noite desfolho e trinco as rosas
É como se prendesse entre os meus dentes
Todo o luar das noites transparentes,
Todo o fulgor das tardes luminosas,
O vento bailador das Primaveras,
A doçura amarga dos poentes,
E a exaltação de todas as esperas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

14 de junho de 2019

A poesia

A poesia
para dias tristes
e alegres também.

A poesia
para dias de chuva
para dias de sol
para quando amanhece
para as noites escuras
para a monotonia das tardes.

A poesia
para levar no bolso
na mala de viagem
no brilho dos olhos
para levar no coração
para oferecer a um amigo.

A poesia
a mais simples
a mais complexa
a poesia inteira
uma parte dela
como um gomo de fruta
doce e amarga
como a vida.

A poesia
hoje ontem amanhã
a de outrora
a do futuro
para nos salvar
nos fazer rir
ou chorar
a poesia
sempre.

Rui Esteves

12 de junho de 2019

Lucerna, a bela

csm_Luzern_Wasserfront_Hotelbuchungen_876d2c454c.jpg

Heróis

Heróis transpostos
ao texto inimaginável
da hora da batalha

corpo alerta no detalhe
de não pensar e não saber
da escolha negada
ao espírito

texto denso
de arrependimentos
em linhas rabiscadas

o infortúnio da derrocada
nos tantos combates
de horas errôneas
em que a tinta derramada
limita a vida.

Pedro Du Bois

junho 2019

Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            

Arquivo


&

Primeiro endereço

© 2004/12 Ana Roque | Powered by Querido.org | Editado com Movable Type | Top