« Before The World Was Made | Main | Ninguém »

Em ti, o poema

Em ti, o poema, o amplo tecido de água ou a forma
do segredo. Outrora conheceste a margem abandonada
do desejo, a sua extensão e principias a entregar
os vasos alongados para receberes as mãos das chuvas.

Apagaram-se junto aos olhos as praias, as árvores
que se ergueram um dia sobre as estradas romanas,
o vestígio dos últimos peregrinos, aves nuas
que já desceram, cansadas, pelo interior do teu peito.

Uma voz, no silêncio calmo das águas, esquece
a mentira das primeiras colheitas, onde os nossos gestos
perderam os sorrisos ou o orvalho que os cerca.

Serenamente, começaram a fechar-se os sonhos de Deus
no interior de novos frutos e, abandonado, fico
junto do teu corpo, onde principia a sombra deste poema.

Fernando Guimarães

comentários (2)

Maria Helena:

Cara Ana, os votos de uma Páscoa que signifique verdadeiramente passagem: do desânimo ao alento, da tristeza à determinação, da inquietude à confiança.

ana r.:

Cara Maria Helena, obrigada pelos sábios votos, que de facto sintetizam o caminho a percorrer.

A sua opinião?

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 22 de março de 2008.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

pub




Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top