« Nossa truculência | Main | Ukiyo-e »

Labirinto

Não me ofereça o paraíso.
Andar para cima e para baixo é o que quero.
Esperar o dia parir o sol,
sentir a minha pele tostar nas plagas dos sertões.

Não me ofereça o infinito.
Quero o seixo da estrada.
Dar o passo e levantar poeira – me confundir na poeira.
Quero todas as formas e amanhã ser informe.

Sim, sei das topadas, dos calos, do estrume. Não me iludo.
Mas sempre estarei pronto para me levantar.
As cicatrizes contam histórias que gosto de escutar:
me reconheço nelas, e choro e canto e fico feliz
quando a lua estampa um sorriso na boca da noite:
ali sou eu quem sorri.

Olho para o céu e vejo um caminho de estrelas.
E além e além e muito além de todas as coisas,
sonho que sou o seixo, a estrela.
E assim sou uniforme.

José Inácio Vieira de Melo

A sua opinião?

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 28 de abril de 2008.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

pub




Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top