« Hiroshige | Main | Lovis Corinth »

Pragas, juras e outras provas de insensatez

Não sossegue eu mais, que um bonifrate,
De urina sobre mim se vaze um pote,
As galas, que eu vestir, sejam picote,
com sede me dêem águas em açafate.

Se jogar xadrez, me dêem um mate,
E, jogando às trezentas um capote,
Faltem-me consoantes para um mote,
E sem o ser me tenham por orate.

Os licores que beba, sejam mornos,
Os manjares, que coma, sejam frios,
Não passeie mais rua, que a dos fornos.

E para minhas chagas faltem fios,
Na minha cabeça por plumas traga cornos,
Se meus olhos por ti mais forem rios.


D. Tomás de Noronha

A sua opinião?

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 01 de abril de 2008.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

pub




Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top