« Palácio do Quirinal | Main | Na Sala »

Rutilância

Porque o mundo é mesmo tão imenso
e meu coração tão só um desastrado;
porque imensa é a alma, e o corpo
só um
relato;
porque não estamos aqui para um simples papo,
mas
para morrer
como todos o fazem:
eis que digo a mim mesmo: sê forte;
mas também digo: sê fraco,
pois tudo é rutilância e nós, passantes,
com nossa pressa e gula
para nada.

Mas justo porque o mundo é mesmo imenso
e imensa é a alma,
eis que escrevo e escrevo e escrevo e escrevo.
Por certo, para nada. Sim. Por certo, para nada.

Antonio Brasileiro

A sua opinião?

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 20 de abril de 2008.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

pub




Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top