« inéditos | Main | José Mouga »

incontestável

A água que fica após o banho,
elemento circunscrito
a cismar na memória
do teu contacto,
do teu riso
incontestável.
Como não precipitar as mãos
de dedos escancarados
para esse baptismo?

Ao fundo,
em terra firme,
ouço-te chamar o meu nome.
Como dizer-te que
vou transformado,
contagiado de transparência,
vistas as mãos, minhas,
à lupa exacta que
para alguns -- miseráveis --
é sujidade?

Vasco Gato

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 07 de outubro de 2016.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/12 Ana Roque | Powered by Querido.org | Editado com Movable Type | Top