« a poesia autêntica | Main | Hughie Lee-Smith »

Vindima

Não tenhas pressa,
disse no fim do verão,
porque setembro, com o seu delicado ouro,
converte os dias,
e junto à sebe de descuidados arbustos
encontrarás o meu cão
e num vaso de estranho anil as dolorosas
plantas queimadas.
Deixa que os cachos amadureçam,
emoldurados pelas suas esferas rubras.
Na euforia dos lagares,
dança com os teus pés de sangue escuro.
Vislumbra,
na estação do mosto, o primeiro enigma das
mãos desoladas.

José Agostinho Baptista

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 01 de setembro de 2020.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/12 Ana Roque | Powered by Querido.org | Editado com Movable Type | Top