« Franz Marc | Main | Franz Marc »

qualquer coisa de intermédio

Onde existo que não existo em mim?
Corro em volta de mim sem me encontrar...
Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto
Para mim é sempre ontem
Não tenho amanhã nem hoje:
O tempo que aos outros foge
Cai sobre mim feito ontem
Na minha dor quebram-se espadas de ânsia
Sou estrela ébria que perdeu os céus
Morro à míngua, de excesso
Heráldico de mim,
Transponho liturgias...
Eu não sou eu nem sou o outro,
Sou qualquer coisa de intermédio:
Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o Outro.

Mário de Sá-Carneiro

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 20 de setembro de 2021.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/12 Ana Roque | Powered by Querido.org | Editado com Movable Type | Top