« Futility | Main | Canção »

Voz do Vento

A canção que não crave
Na metade do peito
Como dardo flamígero
Um estremecimento
Deixa que se disperse
Na escapada de um vôo
Como pássaro errante
Que se mira à distância –
Deixa que se dissipe
Sem o vibrar de um eco
Na neblina, na sombra
E no silêncio.

No fundo da alma existe
Um lago de polidos
Cristais, que se assemelha
A um misterioso espelho.
Na quietude do lago,
O milagroso verso,
Qual davídica funda,
Lança o tiro certeiro,
E se agitam as águas
Em círculos concêntricos,
E mostram-se um instante
Vindas do fundo seio
Todas as velhas coisas
Guardadas pelo tempo:
Ânsias, choros, sorrisos
E lembranças.

Deixa ao cantar fecundo
O espírito aberto;
Quebre as límpidas ondas
O seixo do fundeiro;
Mas a voz que não crave
Na metade do peito
Como dardo flamígero
Um estremecimento
Deixa que se disperse
Na escapada de um vôo,
Deixa que se dissipe
Sem o vibrar de um eco...

Dessa hora infecunda
Ante o passo sinistro
Em que a voz da alma é apenas
A inquieta voz do vento,
De tua morada íntima
Fecha todas as portas
E ouças não mais o ritmo
Do silêncio.

Enrique González Martínez, tradução Renato Suttana

A sua opinião?

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 08 de fevereiro de 2008.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

pub




Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top