« Turner | Main | Aprendizagem »

Chove a cântaroS

Esságua que sou mareja
pelos poros das paredes
de lodo verde.

Esságua que sou explode
por uma fenda de rocha.
Despenco e, por instinto,
procuro, ávida, os caminhos
dágua salgada.

Guerreira, água,chumbo,
estilhaço no alto o surdo
ribombo do meu poder.
Inevitável choque. Como
um espetáculo
de ziguezagues mortíferos,
desabo, aguaceira que sou,
com a sensação de entrega,
e gozo, embebida na doçura
da terra sedenta de mim,
que juntas parimos a vida.

Rita Brennand

A sua opinião?

Acerca

Esta é uma página de arquivo individual, publicada em 10 de abril de 2008.

Post anterior

Post seguinte

Leia também a primeira página, faça uma pesquisa ou navegue através desta página de todos os títulos em arquivo.

pub




Arquivo

&

Primeiro endereço

© 2004/07 Ana Roque | Powered by TubarãoEsquilo | Editado com Movable Type | Top